Com Respeito aos Oito Baixos

Com Respeito aos Oito Baixos
"Com Respeito aos Oito Baixos" é o documentário de estreia do músico e pesquisador Léo Rugero. Realizado através do Prêmio Centenário de Luiz Gonzaga 2012, o filme narra a trajetória da sanfona de oito baixos na música nordestina, contando com o depoimento de sanfoneiros e pesquisadores como Zé Calixto, Luizinho Calixto, Geraldo Correia, Anselmo Alves e Lêda Dias. Filmado nos estados de Pernambuco, Paraíba e Rio de Janeiro, consiste em um belo documento sonoro e visual da música nordestina. Para adquirir um exemplar do DVD, entre em contato conosco.

9 de jul de 2011

Sanfoneiros fictícios - Zé Mamede - Forró do Rato Molhado vol.2

Dando prosseguimento a série de postagens sobre sanfoneiros fictícios, hoje reservamos lugar a outro nome de fantasia que foi utilizado por produtores em gravações de diferentes sanfoneiros: Zé Mamede.
O primeiro disco de Zé Mamede que conheci foi o "Forró do Rato Molhado", lançado pela Copacabana em 1981. Lembro ter mostrado este disco ao Zé Calixto, que identificou a sanfona da capa, e afirmou que se tratava de um disco de Adolfinho. Decerto, há várias músicas do saudoso sanfoneiro paraibano neste disco. Para Zé Calixto, Mamede nunca existiu, tendo sido apenas um dos tantos nomes criados pelos produtores fonográficos. 



Em agosto de 2009, tive a oportunidade de entrevistar  Geraldo Correia. Na ocasião, o músico paraibano afirmou que também havia gravado  com o pseudônimo de Zé Mamede.
Recentemente, foi postado no Forró em Vinil, um disco chamado "Arrasta-pé no sertão". Na verdade, é uma reedição de "Forró sem briga vol. 1" do Baianinho da Sanfona, que, por sua vez, provavelmente é um pseudônimo do Gerson Filho.

Everaldo Santana, em sua garimpagem musical, descobriu esta outra raridade: "Forró do Rato Molhado vol.2". O verdadeiro intérprete deste disco é uma incógnita. Porém, há uma pista que pode nos ajudar a descobrir quem é o verdadeiro sanfoneiro. Há três musicas de Luis Sergio, que foi um sanfoneiro pernambucano, natural de Garanhuns. Ele viveu no Rio de Janeiro, onde atuou nos forrós das décadas de 1970 e 80. A única história que conheço a seu respeito, é a de que ele trabalhava com o sogro, que tinha uma loja de secos e molhados em Garanhuns. Pelo que se sabe, a família não queria que ele se tornasse um músico profissional. Vindo ao Rio de Janeiro, assumiu sua vocação e se profissionalizou como sanfoneiro. Porém, ainda que fosse um bom instrumentista, não conquistou contratos fonográficos vantajosos, e,mesmo que tenha gravado vários discos, seu nome aparecia de forma discreta nos créditos de contracapa ou no selo dos discos e sua identidade visual nunca foi revelada ao público, a exemplo do que se pode constatar nas capas dos Lps "Forró Gostoso é assim", "Na fazenda do Coroné" e "Forró do Zé do Baile".

"Forró do Rato Molhado vol.2" com Zé Mamede e sua gente esquentada foi lançado em 1982 pela Beverly. No repertório, adaptações de sucessos da música nordestina como "Eu só quero um xodó" de Dominguinhos e Anastácia, "Baião da Serra Grande" do gaitista Fred Williams e "Chora Viola" da dupla Venâncio e Corumba.Um disco vigoroso, e a sanfona em alguns momentos parece um acordeom de 120 baixos devido a sonoridade encorpada. 
Agradecemos a Everaldo Santana por compartilhar conosco este item de seu acervo






3 comentários:

  1. Alguem sabe onde foi tirado a foto da capa de arrasta pé no sertão? sou de salvador e esta foto parece muito com um local de salvadopr chamdo jardim dos namorados.

    ResponderExcluir
  2. o link do 4shared está quebrado. é possível postar esse disco novamente? obrigado desde já...

    ResponderExcluir
  3. tenho este lp no blog http://deckard1981.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir