21 de nov de 2010

Resistência sanfoneira

Resistência sanfoneira
RESISTÊNCIA SANFONEIRA
ROSA MININE | A NOVA DEMOCRACIA
Qui, 18 de Novembro de 2010 16:18

Há anos sendo substituída por instrumentos eletrônicos e acordeons com mais recursos, a sanfona de 8 baixos, também chamada de fole, concertina e pé de bode, corre risco de extinção. Mas a Orquestra Sanfônica de 8 baixos, nascida em 2007, em Santa Cruz do Capibaribe, no agreste pernambucano, surgiu com o objetivo de não deixar desaparecer esse instrumento que faz parte da história do povo nordestino, sempre esteve nos folguedos populares e serviu como base para a carreira de grandes nomes como Luiz Gonzaga.

http://www.anovademocracia.com.br/images/71/12-b.jpg
A orquestra surgiu a partir da ideia do pesquisador Anselmo Alves, que reside em Recife, quando procurou a cidade que possuísse o maior número de tocadores de 8 baixos. Por indicação do sanfoneiro, Arlindo dos 8 Baixos chegou à Santa Cruz do Capibaribe e encontrou Bento da Zabumba, um forrozeiro conhecido na região, que ficou responsável por reunir os companheiros e formar a primeira orquestra "sanfônica" de 8 baixos que se tem notícia.
– Aqui é o lugar onde mais tem gente tocando esse instrumento. E não aprendeu na escola, é um ensino que passa de pai para filho. Quem conhece sabe que é mais difícil tocar a sanfona de oito baixos do que as outras. Apesar de todas serem sanfonas, ela é um outro instrumento, bem diferente. Tem que ter um jeito todo especial para manusear. Quem quiser aprender tem que procurar um mestre e pedir para ele – explica Bento da Zabumba.
Bento da Zabumba, Zé Carlos dos 8 baixos, Fogoió dos 8 baixos, Tião dos 8 baixos, Têna, Enoque, Paulo, Lampião, Mário e Barra, todos com o mesmo "sobrenome", formam a orquestra.
Durante o dia, trabalham duro como pedreiros, ajudantes de pedreiro e em pequenos comércios. À noite, viram artistas e tocam xote, baião, forró, arrasta-pé e muitos ritmos nordestinos. Alguns também compõem.
Os sanfoneiros da orquestra são pessoas bem simples, gente do povo, a maioria "vindo da roça", como falam. Alguns não sabem ler e escrever, não conhecem partituras... O mais novo tem 45 anos, e o mais velho já passa dos sessenta. Artistas natos, talentos anônimos, que amam o instrumento e querem manter a tradição.
– A sanfona de 8 baixos está ligada às tradições e festas. Esteve presente em todos os casamentos, batizados, festas de rua, enfim, qualquer evento na vida do povo nordestino, de anos atrás, que virava a noite dançando ao som de animados sanfoneiros. Ela conta um pouco a história do povo daqui. Está intimamente ligada a nossa cultura – explica Anselmo Alves.
– A nossa sanfoninha de 8 baixos sempre esteve presente nos folguedos populares do sertão, do agreste e da Zona da Mata do Nordeste brasileiro. Movimentou a vida de grandes mestres como Abdias, Zé Calixto, e tantos outros, e acabou esquecida, ou substituída por outros instrumentos, como se não tivesse espaço para todos, o que não é verdade – continua.

RESPEITE OS 8 BAIXOS

A Orquestra Sanfônica dos 8 baixos costuma se apresentar em Santa Cruz e em outras cidades de Pernambuco e do todo o Nordeste.
– Nosso repertório é repleto de músicas de sanfoneiros importantes, principalmente Luiz Gonzaga. Ele aprendeu tocar sanfona de 8 baixos com seu pai, Seu Januário, que era um sanfoneiro e tanto daqui de Pernambuco. Depois que foi para o Rio de Janeiro passou a tocar outras sanfonas e abandonou o nosso pé de bode. Mas foi ele quem ajudou a divulgar o instrumento por todo o país – conta Bento da Zabumba.
A música Respeita Januário, de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, fala da importância de respeitar a tradição. Gonzaga foi para o Sul, ficou famoso, passou a tocar sanfonas com mais baixos, mas, voltando à cidade de origem foi recepcionado por conterrâneos dizendo: "de Itaboca à Rancharia, de Salgueiro à Bodocó, Januário é o maior". E o pai deixou claro: "Luiz, respeita Januário, tu pode ser famoso, mas teu pai é mais tinhoso e com ele ninguém vai, Luiz, respeita os oito baixos do teu pai!"
– É importante revigorar a sanfona de 8 baixos e mostrar a sua importância para o mundo todo. São poucos os que tocam esse instrumento hoje e a maioria são pessoas mais velhas. É muito difícil ver jovens tocando essa sanfona. Mas creio que não é porque não gostam, é por pura falta de divulgação. Muitas vezes, nem conhecem, por isso, não se interessam. Por isso, a importância do trabalho da orquestra – fala Anselmo Alves.
– É um instrumento que tem tradição, promove a cultura e precisa ser lembrado. Infelizmente, em determinadas regiões já está esquecido, mas permanece vivo em Santa Cruz do Capibaribe. Lá está a base da resistência dos 8 baixos. E quando se ajuda a Orquestra Sanfônica de 8 Baixos, se está ajudando a cultura do pernambucano. Uma alegria que se passa de uma geração para outra. Muita gente já nasceu ouvindo o pai tocar – continua.
Entre os desafios que os artistas populares encontram, está a sobrevivência. Sem apoio, a orquestra encontra muitas dificuldades para manter-se.
– Temos apresentações no começo e no final do ano e nas festas de São João, no demais ficamos sem trabalho. Isso acontece por falta de apoio. Queremos trabalhar, mas não podemos. A gente se reúne para ensaiar na casa de um dos componentes da orquestra e estamos tentando conseguir uma ajuda para realizarmos o sonho de viver da profissão de sanfoneiro – conclui Bento da Zabumba, que está à frente dessa luta.
Para contratar a Orquestra Sanfônica de 8 Baixos: Bento da Zabumba (81) 9628-3141 e 3731-1720.

Nenhum comentário:

Postar um comentário