31 de mai de 2011

tao de laranjal

n

27 de mai de 2011

Gilberto Monteiro e Truvinca no Lançamento Nacional do Circuito Sonora Brasil


Lançamento Nacional do Circuito Sonora Brasil


No dia 31 de maio, acontece em Goiânia, o lançamento nacional do circuito Sonora Brasil com a apresentação do grupo Caixeiras do Divino, do Maranhão. O evento será realizado no SESC Cidadania, às 20h, e contará com a presença de organizadores e realizadores do Circuito, jornalistas e personalidades do setor cultural. 

Em sua 14ª edição, o projeto apresenta, pela primeira vez, dois temas – Sotaques do Fole e Sagrados Mistérios: vozes do Brasil – que serão desenvolvidos no biênio 2011/2012, com a participação de quatro grupos em cada tema. 

Este ano, o primeiro tema circula pelos estados das regiões Sul e Sudeste, enquanto o segundo segue pelos estados das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Em 2012, na 15ª edição, procede-se a inversão para que os grupos concluam o circuito nacional. Com essa nova metodologia, o projeto passa a ter um planejamento bienal, contando com a participação de oito grupos, em circuitos com duração de aproximadamente 70 dias em cada ano. 


Conheça um pouco de cada tema


Sotaques do Fole apresenta o acordeão em suas variantes regionais ligadas à tradição oral, trazendo a gaita-ponto, com o músico Gilberto Monteiro (RS), a sanfona de oito baixos, com o músico Truvinca (PE), e o acordeão de 120 baixos, com Dino Rocha (MS). Ao fazer um contraponto com a tradição oral, o projeto traz o duo de acordeões Ferragutti/Kramer, que apresenta composições modernas e contemporâneas relacionadas à música de concerto e a outras formas ligadas à vertente acadêmica. Sagrados Mistérios: vozes do Brasil apresenta repertório da música vocal presente nas festividades populares em devoção às entidades religiosas, trazendo os cânticos das Caixeiras do Divino (MA), da Comitiva de São Benedito da Marujada de Bragança (PA) e da Banda de Congo Panela de Barro (ES). Representando a música de concerto, o Quarteto Colonial (RJ) apresenta repertório composto pelos mestres de capela para o ofício religioso da igreja católica e a obra de compositores modernos e contemporâneos inspirada nesse universo. Em 2011, acontecem 420 concertos, em 110 cidades, a maioria distante dos grandes centros urbanos. A ação possibilita às populações o contato com a qualidade e a diversidade da música brasileira e contribui de forma significativa para o conjunto de ações desenvolvidas pelo SESC. Para os músicos, propicia uma experiência ímpar, colocando-os em condição privilegiada para a difusão de seus trabalhos e, consequentemente, estimulando suas carreiras. 

25 de mai de 2011

Tatico Henriquez Siempre(mYp) Pt9



Tenho a impressão, e isto pode ser uma falsa impressão, que o acordeom diatônico é mais valorizado por nossos "hermanos" da América Espanhola. O instrumento segue valorizadíssimo no Merengue da República Dominicana. na Cumbia da Colômbia ou no Chamamé na região cisplatina, entre outros gêneros de expressão dos acordeões de botões. Também parece que não sofreu o estigma de instrumento "limitado" em relação ao acordeom de cento e vinte e baixos. Uma evidência da presença deste instrumento na America espanhola, se justifica pelo fato que a Hohner, prestigiosa fábrica alemã de acordeões, confecciona instrumentos específicos para estilos como Vallenato, Tex-Mex e Merengue.
O merengue exerceu influência decisiva no repertório nordestino de sanfona de oito baixos na decada de 1970, tendo sido introduzido nos repertórios por Abdias como o disco "Na Ginga do Merengue".
Segue um video postado no Youtube por MerenYola com um trecho final do filme "Tatico Henriquez siempre - Historia de uma leyenda". Esta cena final é curiosa, e, pela primeira vez, vejo um videoclipe de sanfona de oito baixos, com as cenas ao fundo em preto e branco reforçando imageticamente o que é expresso na letra autobiográfica da canção. Tatico foi um excelente acordeonista, e utiliza a sanfona em afinação correspondente à nossa afinação "natural", na tonalidade de lá. A escolha desta tonalidade se deve ao canto. Faleceu em 1976, tendo se tornado uma lenda do merengue dominicano.

21 de mai de 2011

VI Encontro de Sanfoneiros de Teresópolis

Daqui a pouco, ocorre o anual "Encontro de sanfoneiros de Teresópolis", um evento do SESC-Teresópolis sob a batuta de Cândido Neto. Neste ano, a homenageada é Adelaide Chiozzo. O evento ocorre a partir das 17h na Calçada da Fama, em Teresópolis.

20 de mai de 2011

Pedro Sertanejo - União dos Palmares

Lembrar de Pedro Sertanejo é rememorar a própria história dos forrós enquanto espaços de sociabilidade e divertimento do nordestino emigrado. O "Forró do Pedro" e a gravadora "Tropicana" são dois baluartes representativos da dedicação de Pedro Sertanejo na rede social do forró entre as decadas de 1960 e 1980.Porém, paralelo a isso, não devemos esquecer de sua contribuição significativa ao percurso da sanfona de oito baixos. Filho de Aureliano e pai de Oswaldinho do Acordeon, Pedro Sertanejo está no núcleo dos "clãs musicais" que identificam as linhas mestras da sanfona de oito baixos na região Nordeste. Com o êxito de "Roseira do Norte", um aceleradíssimo xote, em parceria com Zé Gonzaga, consolidou sua reputação de sanfoneiro em meados da década de 1950.
"União dos Palmares", editado através do selo Musicolor em 1971, é uma importante contribuição na discografia de música instrumental para sanfona de oito baixos. Neste disco, se reflete uma mistura do forró instrumental com elementos da música ítalo-caipira paulista, o que fica evidenciado pela presença de uma viola em algumas faixas. Aliás, esta preocupação norteava o trabalho de Pedro durante a década de 1970, o que se reforça pela presença eem alguns de seus discos desta época, da dupla caipira Mestiça & Zulmara, com o belo dueto em terças paralelas, tão característico, e a inclusão de temas que evocassem o reisado, a folia de reis, etc...
Mas "União dos Palmares" não é apenas isso. É também mais uma mostra do estilo peculiar deste músico, que nesta gravação utiliza uma Todeschini 24 baixos com três carreiras de botões. O acompanhamento é realizado por regional - cavaquinho, violões e percussão, com destaque para o violeiro oculto, devido à ausência de ficha técnica.

Leo Rugero

Petrópolis, 20 de maio de 2011






http://www.4shared.com/file/IbF2TLDs/Pedro_Sertanejo_-_Forro_em_Pal.html

14 de mai de 2011

Dedo Liso


Video postado no Youtube por DinLuciano, com o sanfoneiro conhecido pelo apelido de "Dedo Liso", o "Dedo de Ouro", como mostra a inscrição em seu instrumento.

3 de mai de 2011

Gilberto Monteiro

O gaiteiro  gaúcho Gilberto Monteiro, embora tenha uma discografia relativamente discreta, é um compositor influente, tendo, algumas de suas composições adquirido prestígio no repertório gaúcho. Sua música, embora apresente particularidades que lhe conferem um valor único, espelham  carcteristicas gerais da música gaúcha fronteiriça.
"Pra ti Guria" foi lançado originalmente em 1987, pela gravadora Continental, e apresenta aquele que considero o elemento mais marcante de sua performance, que é a força expressiva de sua interpretação. Infelizmente, não tive a oportunidade de ouvir a Gilberto Monteiro em apresentações ao vivo, mas pude assistir alguns videos deste instrumentista - inclusive, sua participação estupenda no longa-metragem "O Milagre de Santa Luzia. O que talvez mais tenha despertado meu interesse é sua concentração - ele toca a maior parte do tempo de olhos fechados, e o trabalho interpretativo sofisticado, basta fechar os olhos e ouvir atentamente a cada nuance. Esta força dramática estå presente sobretudo na faixa de abertura, "Prelúdio para um beija-flor". Em "Pra ti guria", o trabalho de oscilação do som com a mão esquerda produzindo um lento vibrato é realizado de forma impecável. Algumas músicas trazem o som dos bailes, dos ranchos, revelando o aspecto de seu trabalho que se coaduna com as danças gaúchas, tal como "Os zóio da véia" e "Entrevero de Alpergata" e "Unistalda Campeira".
Este disco também traz como curiosidade o fato de ter sido gravado em Buenos Aires, Argentina, e conta como convidados especiais, Antonio Tarrago Ros (faixa 8) e Raulito Barbosa (faixa 5). Os músicos participantes são: Rodolfo Regunaga (percussão), Mono Pereira (guitarón e violão), José Bragato (cello), Alfredo Ramos (baixo), Angel D`Avila (Ovation e violão), Tapon Garcia (Sapucaí), Lucio Aynel (violão) e Pedro Guerra (violão);
Este trabalho é uma mostra das imensas possibilidades de uma pequena gaita-ponto de oito baixos nas mãos de um instrumentista habilidoso e, sobretudo, inspirado.



http://www.2shared.com/file/RZM86uCo/Gilberto_Monteiro.html

2 de mai de 2011

Gilberto Monteiro _ Prelúdio pra um Beija Flor



Gilberto Monteiro é natural de Unistalda, Rio Grande do Sul Sua música é uma fiel tradução do estilo de acordeom diatônico (gaita-ponto) da região cisplatina, tendo se tornado um dos ícones da gaita-ponto gaúcha. Sua "Milonga para as missões" se consagraria como um dos hinos da música gaúcha, devido ao grande êxito da interpretação de Renato Borguetti. Porém, Monteiro, além de compositor, é também um exímio intérprete. Neste video, ele interpreta "Prelúdio para um beija-flor", música que faz parte de seu primeiro LP, "Pra ti guria".

1 de mai de 2011

Músicos levam público ao delírio na noite de estreia do 3º Festival da Sanfona

http://www.salgueiro.pe.gov.br/noticias_2011/20110430_not03.htm 

Músicos levam  público ao delírio na noite de estreia do 3º  Festival da Sanfona
Sábado, 30.04.2011 às 16h55

Ao som dos acordes da sanfona, tocada nos mais variados ritmos e sotaques, Salgueiro abriu na última sexta-feira(29), no pátio do Centro de Cultura, Lazer e Turismo, o 3º Festival da Sanfona, como parte das comemorações dos 147 anos de emancipação política de Salgueiro. O prefeito o prefeito Marcones Libório de Sá conduziu a abertura deu a largada ao evento promovido pela Prefeitura de Salgueiro sob organização da Secretaria de Cultura e Esportes que em seu terceiro ano já se consagrou com sucesso de público e participação de artistas de várias partes do Nordeste.
A noite de estréia contou com a participação da Companhia de Dança Filhos do Sol que deu seu show à parte com o número A dança da boneca. Com a participação de 12 sanfoneiros, foi realizada a primeira classificatória desta edição. Os instrumentistas concorrem até domingo (1º\5) na categoria sanfona e sanfona de oito baixos. Cada instrumentista apresentou três músicas, que fizeram o público delirar ao som do fole. Chorinho, arrasta-pé, mazurca, valsa, blues e até jazz do norte americano Frank Marocco,  fizeram parte do repertório da noite.
Ao final, a comissão organizadora do evento, apresentou a lista dos quatro finalistas da noite, que entram na disputa da grande  finalista. Da primeira eliminatória, entram Rafael Simião e Claúdio Santos, de Salgueiro, e Carlinhos do Acordeom, de Limoeiro do Norte(CE), ambos na categoria Sanfona.  Nêgo do Mestre, também de Salgueiro, foi o escolhido na categoria sanfona de oito baixos. Este ano,  participam artistas de várias partes de região, do Sertão Central, São Francisco, Pajeú e Araripe, além de cidades  de estados como Bahia e Ceará.
“O Festival da Sanfona é muito importante por resgatar e divulgar o valor do instrumento da nossa música. É muito bom trabalharmos para divulgar a cultura do nosso país. Aqui podemos ver a sanfona mostrando o seu valor”, comentou o sanfoneiro cearense Luiz Carlos Freitas Silva, o Carlinhos do Acordeom, 25, ex-integrante da banda Mastruz com Leite, e que participa pela primeira vez do festival.
 Foto: Héliton/Laborart
Clique na foto para ampliar
O prefeito Marcones Sá, destacou que o 3º Festival começou  carregado de muito talento e  emoção. “Quando realizamos a primeira edição, o desafio era o resgate da cultura da sanfona que tem muito a ver com o nosso homem do campo e com a história não só de Luiz Gonzaga, mas essencialmente de Januário, tocador da sanfona de oito baixos, instrumento que praticamente estava em extinção”, disse o prefeito.
A partir dessa iniciativa, enfatizou Marcones, começou-se  a ver não só os sanfoneiros de outras gerações voltando a tocar e a ter empolgação, mas a participação da juventude no evento, dando show de sanfona. “Esperamos a cada ano esse movimento cultural se faça mais forte”, destacou. Ao final, foi realizada uma roda com os sanfoneiros participantes da noite. Quem estava na platéia não ficou parado.

Apresentação de Zé Calixto com Ronaldinho do Cavaquinho


O quinto show da série Choro Aperitivo vai reunir Zé Calixto, uma das maiores expressões da sanfona de oito baixos, e o cavaquinista Ronaldinho do Cavaquinho. A apresentação será realizada amanhã (segunda-feira), dia 02 de maio, às 12h30m, no Centro Cultural LIGHT.


CENTRO CULTURAL LIGHT
Avenida Marechal Floriano 168
Centro, Rio de Janeiro
(21) 2211-4515
Segunda-feira, dia 2 de maio
12h30
TALK-SHOW (duração de 1h20 de duração aprox.)
Ingresso: Inteira R$ 10,00, meia R$ 5,00
(obs.: Venda no dia do show a partir de 10h30)
Renda revertida para o projeto social “Aliança dos Cegos”