9 de mar de 2010

fotos da inauguração







Acima, algumas fotografias enviadas por João Bento, registrando a inauguração da Escola de Saanfona de 8 baixos de Caruaru, no dia 04 de março. Fotos de Antonio Preggo. Em sequência: Palestra de João Bento; A equipe envolvida com o projeto; Heleno dos 8 baixos tocando em sua bela sanfona Hohner modelo Erica;

8 de mar de 2010

Inauguração da primeira escola de sanfona de 8 baixos


Prezados amigos,


foi com grande alegria que recebi a comunicação do designer, publicitário e produtor cultural João Bento, sobre a inauguração da primeira escola de sanfona de 8 baixos no Brasil, a Escola de sanfona de 8 baixos de Caruaru. Dirigida pelo músico Valdir Santos, terá como professor de sanfona, Heleno dos 8 baixos, um dos maiores expoentes do instrumento, e, em certo sentido, o embaixador da tradição nordestina da sanfona de 8 baixos  na Europa. Segundo João Bento, "Há 10 anos que (e isso ocorreu todos os anos) organizamos uma turnê na França para Heleno, onde ele toca, junto com a sua família, em muitos festivais importantes. Tem turnê que ele chega a fazer até 25 Shows. Já tocou no dia da Independência da França, em Nantes, a pedido do Prefeito o Hino Francês em ritmo de Forró e ao som da Sanfona de 8 Baixos".
Em 2007, quando dei o pontapé inicial em minha pesquisa etnográfica sobre a tradição da sanfona de 8 baixos na região nordeste, uma das questões que me chamaram a atenção de imediato, foi a ausência de pólos irradiadores da tradição. Praticamente não haviam mestres dispostos à ministrar seus conhecimentos. Ou, invertendo o raciocínio, não haviam alunos dispostos a aprender. A pequena sanfona de botões era evocada como instrumento em extinção, seus principais solistas esquecidos, distante dos refletores. Porém, dado a iniciativa isolada de alguns espíritos apaixonados, cada qual trabalhando à seu modo, e com suas ferramentas disponíveis, a realidade parece se modificar gradualmente.

A primeira oficina de sanfona de 8 baixos, ministrada por Luizinho Calixto, no Memorial Luiz Gonzaga em 2008, foi um marco decisivo, impulsionado pela historiadora Leda Dias e pelo jornalista Anselmo Alves. Juntamente com a oficina, veio o primeiro método,  tentativa pioneira de sistematização desta prática eminentemente oral.

Agora, esta alvissareira boa-nova, que foi a inauguração de um espaço inteiramente destinado ao instrumento, no importante município de Caruaru, que carrega o título de capital do forró. Fogos de artifício! São João em plena quaresma...

e os melhores votos para esta iniciativa.